Blog

A Usina Nuclear do Sol

Data de publicação: 03 de set

Categoria: Bits & Bytes de Ciência

Todos os verões o Sol tem nos castigado inclementemente provocando uma onda de calor que faz a alegria daqueles que gostam de passar o tempo na praia. O brilho do Sol sempre fascinou o Homem e desde há muito tempo os índios já consideravam o Sol uma divindade, isto porque sabiam que este astro era o gerador de luz e vida. Em nossos dias também os cientistas estão muito interessados em saber por que o Sol brilha e gera esta energia térmica que na Terra recebemos. O estudo do Sol é importante porque é compreendendo o processo de geração de calor do Sol e todo o mecanismo que o faz brilhar  que poderemos aproveitar os benefícios e evitar os malefícios dos raios solares no homem.

O Sol é uma estrela de grande massa de hidrogênio que, comparada a massa da Terra é trezentos mil vezes maior. O hidrogênio é o elemento químico mais leve e mais abundante no universo cujo núcleo do seu átomo é composto por um próton apenas. Esta imensa massa do Sol provoca tal gravidade que comprime os núcleos dos átomos e estes se fundem. Este processo forma átomos de Hélio, que é o segundo elemento mais leve na natureza, cujos núcleos têm dois prótons e dois nêutrons.

Nesta incrível usina existente no Sol ocorre o que os físicos chamam de Fusão Nuclear. De forma geral, em uma fusão Nuclear o núcleo de um átomo fundindo com o núcleo de outro átomo formam o núcleo de um terceiro átomo. Nesta fusão que acontece no Sol o núcleo do terceiro átomo tem uma massa menor que a soma das massas dos núcleos dos átomos componentes. Esta sobra de massa na soma é liberada em forma de energia seguido o principio estabelecido pela equação de Einstein E = mc2 e é esta energia liberada que faz o Sol brilhar e emitir calor.

Sobre o que acontece no Sol sabe-se que a fusão no seu interior usa quatro núcleos de Hidrogênio para gerar um núcleo de Hélio mais a energia em forma de radiação eletromagnética. Esta radiação eletromagnética é gerada com energias altas na forma de raios gamas. Quando esta radiação chega na superfície do Sol já perdeu energia  e transforma-se, parte em luz visível que nos dá o brilho, e parte em radiação infravermelha que nos dá o calor.

Ainda sabemos que em cada radiação gerada pela incrível usina nuclear do Sol aparecem mais duas partículas chamadas neutrinos. Os misteriosos neutrinos são partículas muito pequenas, em torno de cem mil vezes\menor que a massa do átomo, e, portanto, não interagem com as outras. Muitas destas partículas viajam para terra atravessando-a sem colidir com nada, nem mesmo conosco. Por isso os neutrinos são difíceis de serem detectados tornando-se um dos desafios dos físicos que as considera donas de preciosas informações sobre o que realmente acontece no interior do nosso Sol.

De certo modo, os índios quando consideravam o Sol como uma divindade, estavam certos, porque é esta reação nuclear acontecida na grande usina nuclear do Sol que traz a vida e mantém os seres vivos na Terra.